Projetos

Projetos do Observatório do Ensino Médio


Pesquisa: Juventude, Escola e Trabalho: Sentidos e significados atribuídos à experiência escolar por jovens que buscam a educação profissional técnica de nível médio. 

Descrição: A pesquisa está vinculada ao Observatório da Educação da Capes (OBEDUC). Dedica-se ao estudo das políticas para a educação básica, especialmente de Ensino Médio e Educação Profissional Técnica de Nível Médio, tendo como foco central de análise os destinatários dessas políticas: os jovens, sujeitos da experiência escolar. Dentre as constatações oriundas da análise da implantação do Ensino Médio Integrado na rede estadual do Paraná identificou-se um quadro severo de evasão. Além das evidências aí constatadas, outras pesquisas sobre o ensino médio na atualidade (Abramovay; Sposito) têm identificado, igualmente, um quadro de abandono da escola, especialmente situado na última etapa da educação básica. Por que os jovens vêem abandonando a escola? Como encontrar respostas às questões suscitadas por esse contexto, tais como: o que os levaria a permanecer? Que sentidos atribuem à escola? Que relações estariam se firmando entre escola, juventude e trabalho? As políticas de escolarização da juventude têm se ocupado do enfrentamento do abandono escolar? De que forma? As indagações acima conduzem à identificação de uma necessidade no campo das análises circunscritas ao ensino médio, qual seja de uma perspectiva analítica centrada nas instituições (seus textos, discursos, práticas) para uma perspectiva que privilegie os sujeitos desse processo. A pesquisa se realiza com vistas a analisar os sentidos e significados atribuídos por jovens do ensino médio à escola e ao processo de escolarização considerando-os enquanto sujeitos da experiência escolar, busca relacionar esses sentidos e significados à permanência ou ao abandono da escola na última etapa da educação básica, em particular no que se refere aos cursos de educação profissional.

Integrantes: Monica Ribeiro da Silva, Simone Sandri, Márcio Luiz Bernardim, Lucas Barbosa Pelissari, Allan Andrei Steinback, Céuli Mariano Jorge, Rosângela de Oliveira, Vivian Isleb, Vanessa Campos de Lara Jakimiu, Sérgio Ricardo Ferreira, Adilson Tiecher, Débora Silveira, Dalessandro Pinheiro, Ana Carolina Caldas, Patrícia Stoski, Fernanda Maravalhas, Débora Reis Schnekemberg, Rudá Morais Gandim, Vanessa Raianna Gelbke, Marina Carlesso Cavalli, Sonia Regina Freitas, Andrea de Paula Ceccatto, César Augusto Ibanez, Adir Simão de Souza, Casemiro José Mota, Clecí Körbes, Dênis da Silva Carvalho, Jefferson Araújo Morais, Marcos Queiroz, e Thierre Monaro.

Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Auxílio financeiro / (CAPES) Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Bolsa / (CNPq) Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Bolsa. Vinculada ao Observatório da Educação – OBEDUC-CAPES.


Pesquisa: O Programa Ensino Médio Inovador (ProEMI) : política de indução à reestruturação curricular na última etapa da educação básica.

Descrição: A pesquisa tem por objetivo dimensionar o alcance da proposta de reestruturação curricular do ensino médio feita pelo Programa Ensino Médio Inovador (ProEMI); analisa as proximidades e distanciamentos entre os Projetos de Reestruturação Curricular (PRC) das escolas participantes do Programa e as proposições dos Documentos orientadores dessa política; busca ainda compreender a intersecção entre o Programa Ensino Médio Inovador e outras propostas para o Ensino Médio como o Programa Jovem de Futuro do Instituto Unibanco e o Ensino Médio Politécnico da rede estadual de ensino do Rio Grande do Sul..

Integrantes: Monica Ribeiro da Silva, Simone Sandri, Letícia de Luca Wollmann Saldanha, Vivian Isleb, Patrícia Stoski, Vanessa Campos de Lara Jakimiu, Sérgio Ricardo Ferreira, Cleci Korbes, e Eloise Médice Colontonio.

Financiador(es): (CAPES) Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Bolsa / (CNPq) Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Bolsa Produtividade em Pesquisa.


Extensão: Rede EmDiálogo – Portal Diálogos com o ensino médio.

Descrição:
– Desenvolver oficinas e rodas de diálogo com estudantes do Ensino Médio sobre a condição juvenil na escola e na comunidade;
– Possibilitar a expressão dos sujeitos jovens sobre as suas experiências e aprendizagens por meio de várias linguagens e divulgar as produções resultantes desse processo na rede educativa Portal EMDiálogo.
– Desenvolver oficinas e rodas de diálogo com os docentes de ensino médio sobre as relações entre juventude, ensino médio e currículo focando em uma proposta teórico-metodológica para utilização e realimentação do Portal EmDiálogo – www.emdialogo.uff.br

Integrantes: Monica Ribeiro da Silva, Adilson Tiecher, Jefferson Araújo Moraes, Cleci Körbes, e Débora Silveira.
Financiamento: FNDE – bolsas.


Assessoria: Avaliação externa da implantação do Programa Ensino Médio Inovador no país.

Ação realizada a pedido da Secretaria de Educação Básica do MEC, tem por objetivo avaliar o processo de implantação do Ensino Médio Inovador em todos os estados que aderiram ao Programa até 2012.

Descrição:
– Realizar mapeamento de dados do Ensino Médio Inovador, nos diferentes estados onde o Programa foi implantado, a partir de dados qualitativos e quantitativos;
– Analisar experiências que foram realizadas nas escolas, através de pesquisa de campo, a partir de critérios estabelecidos;
– Analisar os Projetos de Redesenho Curricular das escolas (por amostragem);
– Analisar a percepção de professores e gestores a respeito da implantação do ProEMI em suas escolas;
– Sistematizar os resultados da avaliação por meio de relatórios com a finalidade de subsidiar o Ministério da Educação na política de expansão do Ensino Médio Inovador.

Integrantes: Monica Ribeiro da Silva, Eloise Médice Colontonio, Lucas Barbosa Pelissari, Maria Aparecida de Souza Bremmer, Vivian Isleb, Vanessa Campos de Lara Jakimiu, Sérgio Ricardo Ferreira, e Cleci Körbes.
Financiamento: FNDE.


Participação nas atividades do Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio.

O Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio é uma ação do Ministério da Educação em colaboração com as Secretarias Estaduais de Educação. Atualmente tem como ação prioritária a formação continuada de professores que atuam na última etapa da educação básica.

A participação do Observatório do Ensino Médio da UFPR nas ações do Pacto tem como objetivos:
– Coordenar a produção do material didático-pedagógico específico para as primeira, segunda e terceira etapa do Curso de Formação de Professores no âmbito do Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio;
– Realizar três seminários nacionais dos quais participarão representantes das Universidades parceiras, das Diretorias da Secretaria de Educação Básica do MEC, dos Consultores e dos Avaliadores do MEC, do GT Ensino Médio/COEM e das Seduc dos 26 Estados e do Distrito Federal. A organização dos seminários estará sob a responsabilidade da UFPR. Serão realizados 2 seminários, cada um com um objetivo específico.
– Acompanhar a formação de professores no âmbito do Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio por meio da participação em seminários estaduais e nos seminários nacionais com vistas à produção de registros e divulgação por meio digital (vídeos e textos de divulgação).
Compor a coordenação das ações do Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio no estado do Paraná.

Integrantes: Monica Ribeiro da Silva, Ana Carolina Caldas, Ceuli Mariano Jorge, Gilian, Léia de Cassia Fernandes Hegeto, Eloise Médice Colontonio, Patrícia Stoski, Emilene Heloisa Rodrigues, Vanessa Raianna Gelbcke, Amanda Evelyn Brandão, Carolina Stonoga, Clarissa Schröder, Aline Fernanda Carneiro.
Financiamento: SEB/MEC


Projetos de pesquisas individuais

O Programa Ensino Médio Inovador (ProEMI) como política de indução da reestruturação curricular: análise dos Planos de Atendimento Global (PAGs) e dos resultados em cinco estados brasileiros – Monica Ribeiro da Silva, coordenadora do Observatório do Ensino Médio.

Resumo: A pesquisa se propõe a dimensionar o alcance das propostas de reestruturação curricular feitas pelas escolas em resposta à indução do Programa Ensino Médio Inovador. Analisa as proximidades e distanciamentos entre essas propostas e as proposições dos Documentos normativos do ProEMI.
Financiamento: CNPq – Bolsa PQ – Produtividade em Pesquisa

A interação dos jovens frente à diversidade sexual no ambiente escolar: que representações fazem diante das situações de preconceito e violência impostas contra os alunos GLBT. Marina Carlesso Cavalli. Estudante de Pedagogia na UFPR -

Resumo: Entendendo que no espaço escolar a interação com o diferente dá-se através de relações interpessoais permeadas por conflitos, a presente pesquisa busca uma reflexão a respeito dos preconceitos e violências (físicas e/ou verbais) protagonizadas por adolescentes e jovens do ensino médio em relação a colegas GLBT. A pesquisa foi realizada através de questionário auto-aplicável com alunos do ensino médio noturno de uma escola na cidade de Curitiba no decorrer do mês de agosto de 2013.
Financiamento: CAPES – Bolsa Iniciação Científica

Protagonismo juvenil e democracia na escola: o caráter da escola frente às juventudes – Rudá Morais Gadin, estudante de Pedagogia na UFPR.

Resumo: A pesquisa tem como objetivo analisar em que medida a escola tem servido como espaço de reivindicações e de compilações das vontades dos diferentes grupos de jovens em participar da condução política da sociedade. A instituição escolar tem servido para responder e/ou atender estes anseios das juventudes? A pesquisa foi realizada por meio de questionários com estudantes do período noturno, do ensino médio, onde demonstrou que 45% dos entrevistados participam raramente das decisões relativas a gestão pedagógica e financeira da escola.
Financiamento: CAPES – Bolsa Iniciação Científica

A participação estudantil no ProEMI: desafios para o novo currículo – Fernanda Maravalhas, estudante de Pedagogia na UFPR.

Resumo: A presente pesquisa visa investigar como estão sendo desenvolvidas as ações previstas no macrocampo Participação Estudantil de um colégio no Paraná e analisar como as ações deste macrocampo tem proporcionado aos seus estudantes reflexões e ações que caminham ao encontro do protagonismo juvenil.
Financiamento: CAPES – Bolsa Iniciação Científica

Juventude, escola e trabalho: expectativas explicitadas pelos jovens diante da relação escola e trabalho no ensino médio – Débora Reis Schnekemberg, estudante de Pedagogia na UFPR -

Financiamento: CAPES – Bolsa Iniciação Científica

Políticas públicas para o ensino médio: os reflexos do Programa Ensino Médio Inovador (ProEMI) na realidade escolar – Patricia Stoski, Pesquisadora no Observatíorio do Ensino Médio e Professora da Educação Básica.

Resumo: Com vista a investigar de que forma Programa Ensino Médio Inovador (ProEMI) tem influenciado a estrutura escolar enquanto política indutiva para mudanças curriculares, busca-se verificar em que medida tais mudanças dialogam com as necessidades e expectativas dos sujeitos da escola. Ainda, pretende-se verificar quais os sentidos e significados que esses jovens estudantes de uma escola de Curitiba e participantes do programa, atribuem à experiência escolar.
Financiamento: CAPES – Bolsa Iniciação Científica

Representações Cinematográficas: As Juventudes e a Escola retratadas em filmes brasileiros – Vanessa Raianna Gelbcke, Professora da Educação Básica.

Resumo: A presente pesquisa tem como foco investigar as representações da juventude e da escola em filmes brasileiros produzidos após o ano de 2000, por se entender serem estas as películas que mais se aproximam da representação da juventude atual. Para tanto foram selecionados quatro produções que abordam a instituição pública (Pro dia nascer Feliz e Cidade de Deus) e a instituição particular (As melhores coisas do mundo e Desenrola) com o intuito de verificar as diferenças retratadas das juventudes que pertencem a classes sociais distintas.
Financiamento: CAPES – Bolsa Iniciação Científica

A visão dos alunos sobre a escola noturna da cidade de Curitiba e Região Metropolitana – Sônia R. C. de Freitas, professora de Geografia na Rede Estadual de Ensino.

Resumo: O ensino noturno nas escolas públicas da cidade de Curitiba e região metropolitana tem sido percebidos pelos administradores das instituiçõees como um problema a se resolver. Tendo em  vista  que  a  sociedade  tem  uma  história  onde  tem  se  exigido  uma  ampliação  de  cursos  a serem ofertados a uma classe onde se predomina os trabalhadores ou jovens que estão fora da sua série, governos e gestores educacionais ofertam vagas sem se preocuparem com a condição adequadas para a realização desses no periodo noturno. A pesquisa tem como objetivo conhecer esse  educando,  seus  problemas  em  relação  à  escola,  como  ele se  relaciona  no  ambiente escolar, quais são as vantagens e desvantagens para ele que frequenta o noturno. Através das experiências  vividas  por  estes  poderemos  talvez  chegar  a  uma  conclusão  de  como está a educação nessas instituições .
Financiamento: CAPES

Em cena: a escola pelas lentes dos estudantes – Rosângela Gonçalves de Oliveira, Doutora em Educação, professora do IFPR.

Resumo: Algumas considerações sobre as identidades juvenis e suas expressões e representações presentes nos audiovisuais postados no YouTube por alunos de 18 escolas públicas do ensino médio de Curitiba e Região Metropolitana. Como fonte primária observou-se textos audiovisuais espontâneos produzidos e postados e que usaram como Tag o nome da escola. Das escolas pesquisadas procuraram-se padrões de postagens e aponta-se a possibilidade de aprofundamento onde exista um número maior de produções audiovisuais em contra partida aos que não possuem disponibilizadas na rede mundial de computadores.
Financiamento: CAPES

Investigando as possíveis causas da evasão e/ou abandono do PROEJA no Paraná – Adir Simão de Souza, professor na Rede Estadual de Ensino.

Resumo: O objetivo do artigo é tentar compreender porque existe uma taxa tão grande de abandono no programa, que está a beira da extinção. Através da técnica de grupos focais, procuramos ouvir professores e alunos do programa em duas escolas de Curitiba, sendo uma o CEEP Centro Estadual de Educação Profissional e a outra um CEEBJA Centro Estadual de Educação Básica de Jovens e Adultos. Os dados preliminares coletados nos permite concluir que o tempo da escola e dos estudantes não se conjugam.
Financiamento: CAPES

Jovens, escola e sociabilidade: o espaço escolar como local de convivência entre os pares – Andrea de Paula Ceccatto, mestre em Educação, professora na Rede Estadual de Ensino.

Resumo: A pesquisa procura compreender a importância da escola enquanto local de estabelecimento de relações sociais, pelos jovens do Ensino Médio Noturno. A pesquisa foi realizada por meio da aplicação de questionários com estudantes da Rede Pública Estadual de Curitiba e Região Metropolitana
Financiamento: CAPES

Documentário: Juventudes e (Des)Escolarização – Ana Carolina Caldas, mestre em Educação.

Financiamento: CAPES

A oferta do ensino médio por bloco de disciplinas semestrais e o ensino médio inovador: avanços e contradições na busca da ressignificação do ensino médio – Sérgio Ricardo Ferreira, Mestre em Educação, professor da Rede Estadual de Ensino.

Resumo: O Objetivo do artigo será o de apontar avanços e contradições na busca da ressignificação do ensino médio, especialmente com a implementação de políticas de enfrentamento aos maiores desafios desta etapa final da educação básica: EMB e ProEMI. Aproveitarei os questionários aplicados aos estudantes do Ensino Médio no Colégio Maria Aguiar Teixeira para avaliar os avanços e limites sob o “olhar” dos sujeitos do ensino médio.
Financiamento: CAPES

A implantação do Programa Ensino Médio Inovador (ProEMI) e sua relação com os dados de fluxo escolar – Vivian Isleb, mestre em Educação, professora da Rede Estadual e Municipal de Ensino.

Resumo: Analisar o movimento do fluxo (reprovação e abandono escolar) nos estados que aderiram ao ProEMI, de modo a permitir a comparabilidade entre as escolas que aderiram e as escolas que não aderiram ao Programa. Campo Empírico: escolas estaduais com e sem o ProEMI, dos 17 estados e do Distrito Federal, que fizeram a adesão em 2009. Procedimento de coleta de dados: Inep (Taxas de Rendimento, Microdados e Indicadores Educacionais). Dados preliminares: Constatou-se uma tendência de melhoria dos dados do fluxo escolar em 33% dos estados participantes.
Financiamento: CAPES

O Programa Ensino Médio Inovador como política de indução à reestruturação curricular – Vanessa Campos de Lara Jakimiu, doutoranda em Educação, professora da Rede Municipal de Ensino.

Resumo: O presente estudo tem como objetivo investigar se a forma curricular que o ensino médio assumiu após a implementação do ProEMI nos estados do Mato Grosso e do Rio Grande do Sul evidenciam maior integração entre disciplinas e áreas do conhecimento tomando por base os Projetos de Reestruturação Curricular feitos pelas escolas.
Financiamento: CAPES

Juventude, escola e trabalho: sentidos atribuídos ao ensino médio integrado pelos jovens da classe trabalhadora – Marcio Luiz Bernardim, doutor em Educação, professor da UNICENTRO.

Resumo: Trata das relações dos jovens da classe trabalhadora com a educação e com o trabalho, e dos sentidos que eles atribuem ao Ensino Médio Integrado (EMI) no âmbito da EPTNM, mediante pesquisa com estudantes da rede pública estadual de Curitiba e Região Metropolitana, realizada com a aplicação de questionários e realização de grupos focais. Embora o sistema capitalista tangencie a política e o disciplinamento legal relacionado à EPTNM de acordo com a sua estratégia de formação de mão de obra, os trabalhadores buscam o ensino médio que atenda a sua necessidade de formação técnica para a inserção profissional e, ao mesmo tempo, valem-se da conclusão da educação básica para acessar o conhecimento sócio-histórico e ético-político do seu interesse enquanto jovens e enquanto jovens da classe trabalhadora.
Financiamento: CAPES

Ensino médio brasileiro e as concepções de formação humana em disputa: os casos do programa ensino médio inovador  e das propostas do empresariado – Simone Sandri, Doutora em Educação, professora da Unioeste.

Resumo: O objetivo principal é analisar as concepções de formação humana em disputa a partir Programa Ensino Médio Inovador proposto pelo Ministério da Educação e  o Projeto Jovem de Futuro sugerido pelo Instituto UNIBANCO. Tal análise se agregar às discussões acerca dos diferentes projetos de ensino médio em evidência no atual momento histórico.
Financiamento: CAPES

Os sentidos da educação atribuídos por alunos do PROEJA na rede estadual do Paraná – Ceuli M. Jorge, doutora em Educação e professora da Rede Estadual de Ensino.

Resumo: Trata-se de um estudo sobre o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional à Educação Básica na modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA. Este estudo buscou compreender os sentidos atribuídos pelos alunos egressos em relação a elevação da escolaridade e a formação profissional, quais as suas lógicas de organização, e que relação estabelecem entre a formação realizada e a mobilidade socioeconômica. A maioria dos egressos não continuou os estudos em nível superior, estavam empregados com carteira assinada, renda mensal em torno de um salário mínimo e atuando em ocupações variadas do setor de serviços, com exceção dos egressos do curso de Enfermagem, os quais estavam atuando como técnicos dessa área. Atribuem sentidos à formação quanto à valorização pessoal, sociabilização e pertencimento a uma situação que antes os excluía.
Financiamento: CAPES – bolsa Doutorado

Sentidos e significados da tecnologia na configuração das identidades juvenis – Cleci Körbes, Doutora em Educação na UFPR.

Resumo: A pesquisa busca identificar os sentidos e significados atribuídos pelos sujeitos jovens de ensino médio de escolas públicas à tecnologia, sobretudo às tecnologias de informação e comunicação, nos processos de constituição de identidades juvenis. A pesquisa será desenvolvida com estudantes de três escolas de Curitiba por meio de questionários, grupos focais, observação virtual e entrevista individual semi-estruturada.
Financiamento:

Sentidos e significados dos Cursos Técnicos Profissionalizantes ofertados pelo PRONATEC, na visão de jovens estudantes da rede pública estadual de Ensino Médio, no Município de Curitiba – Adilson Tiecher, Mestre em Educação na UFPR.

Resumo: Este projeto de pesquisa objetiva analisar os resultados da implantação do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC), no Estado do Paraná, no Município de Curitiba, através da oferta de Cursos Técnicos Profissionalizantes, pelas unidades do SENAI e SENAC, e identificar os sentidos e significados desses cursos na visão de jovens estudantes da rede pública estadual do Ensino Médio, que iniciaram e abandonaram os cursos. A coleta dos dados será feita a partir da determinação da base empírica, começando pela pesquisa bibliográfica, contextualização da implantação do PRONATEC, levantamento das instituições credenciadas pelo MEC, bem como a quantidade de cursos e vagas que ofertam, e a aplicação de um questionário junto aos alunos do Ensino Médio.
Financiamento:

O fetiche da tecnologia e o abandono escolar na visão de jovens que procuram a educação técnica profissional de nível médio – Lucas Barbosa Pelissari, Mestrado em Educação na UFPR.

Resumo: O presente trabalho é resultado de pesquisa desenvolvida durante o curso de mestrado em Educação e se insere nas discussões a respeito das políticas de Educação Profissional Técnica de Nível Médio (EPTNM) no Brasil. Em análises preliminares, percebemos que, no Paraná, os cursos estaduais de Ensino Médio Integrado – uma modalidade específica do ensino técnico de nível médio – relacionados à área da tecnologia possuem uma característica marcante e aparentemente paradoxal: ao mesmo tempo em que há grande procura pelos cursos, nota-se um panorama de alto abandono, com taxas de abandono maiores que as do Ensino Médio Regular e de cursos técnicos ligados a outras áreas. A partir dessa constatação, o objetivo central do trabalho é procurar compreender os sentidos e significados que os jovens que procuram os cursos de Ensino Médio Integrado na área de tecnologia atribuem aos cursos e em que medida esses significados se relacionam com o panorama de procura e abandono verificado. Para isso, investigamos a realidade de uma escola estadual localizada em uma região popular de Curitiba-PR, que oferta apenas cursos de EPTNM, com recorte em três cursos específicos ofertados pela escola: Edificações, Eletrônica e Eletromecânica. Participaram da pesquisa alunos matriculados no primeiro e no quarto anos dos cursos analisados – com a utilização da metodologia de grupos focais –, jovens que abandonaram os cursos, egressos e professores – com entrevistas individuais –, totalizando 81 participantes. Do ponto de vista teórico, procuramos, a partir de uma visão de totalidade, articular quatro categorias principais para analisar a realidade: juventude, escola, trabalho e tecnologia. A perspectiva teórico-metodológica baseada no materialismo histórico-dialético permitiu explicar essencialmente o fenômeno, passando por uma concepção sócio-histórica acerca das categorias envolvidas. A conclusão central a que chegamos é que o paradoxo entre alta procura e alto abandono é aparente da realidade investigada, já que é nos próprios motivos da alta procura que encontramos as principais causas do abandono: uma visão reificada e idealista acerca da tecnologia (fetiche da tecnologia) e, decorrente dialeticamente dessa visão, uma falsa expectativa a respeito do mercado de trabalho na área de atuação do técnico são os elementos centrais que explicam os elevados números de jovens que procuram os cursos. A análise dos sentidos e dos significados construídos pelos jovens em relação ao curso, à escola, à profissão, às relações de trabalho e ao seu próprio futuro – que nos levou, em alguma medida, a ratificar aquele contexto de fetiche entre os estudantes do início do curso – e outros motivos verificados para o abandono nos permitiram concluir que, no caso investigado, as causas do abandono são encontradas na estrutura da sociedade, porém são muito mais profundas que a simples dificuldade em conciliar trabalho e estudo e, mais do que isso, são mediadas por fatores culturais da própria organização da escola e pela construção identitária da juventude.
Financiamento: CAPES – bolsa Mestrado

Juventude(s) e formulação de políticas: caminhos do conselho nacional de juventude – CONJUVE na garantia do direito à educação - Allan Andrei Steimbach, Doutorando em Educação na UFPR.

Essa pesquisa insere-se na temática da relação dos jovens com a formulação de políticas que garantam o direito à educação. Cabe-nos entender o querem os jovens e o que tem feito para fazer valer suas aspirações.  Para tanto, delimitamos o recorte empírico na atuação do Conselho Nacional de Juventude, sua relação com a sociedade civil  e, ao mesmo tempo, com o Estado. Por isso, objetivamos entender o papel deste órgão na formulação das políticas citadas. Para tanto, lançaremos mão de pesquisa bibliográfica, documental e de campo, esta feita com entrevistas.

A Emenda Constitucional 59/2009 enquanto dimensão constituinte e constitutiva do direito à educação: o Ensino Médio na agenda do Legislativo Federal no período de 2009 a 2016 – Vanessa Campos de Lara Jakimiu, Doutorando em Educação na UFPR.

O estudo apresentado traz em seu conteúdo uma discussão acerca do Direito à educação em nível médio, buscando investigar as proposições no âmbito do legislativo federal e em que medida as mesmas visam garantir o Direito à Educação a esta etapa de ensino, especialmente, a garantia da obrigatoriedade enquanto elemento constituinte e constitutivo do Direito à Educação tendo em vista a promulgação da Emenda Constitucional 59, de 11 de novembro de 2009.

Movimento Todos Pela Educação: o público, o privado e a disputa de projetos educacionais no Brasil – Dalessandro de Oliveira Pinheiro, Doutorando em Educação na UFPR.

Esta pesquisa visa analisar no âmbito da disputa e da tensão no interior do Estado, os projetos educacionais de setores do empresariado brasileiro, através do “Movimento Todos Pela Educação” (TPE) que defende o modelo de gestão empresarial como parâmetro para a gestão dos sistemas públicos de ensino. Visa analisar também, a historicidade do TPE, a conjuntura de sua criação, os elementos teóricos que baseiam sua ação política, seu modus operandi e a lógica dos projetos educacionais desenvolvidos no Brasil.

4 Comments

  1. Eliana Scremin Menegaz

    Primeiramente, parabenizo as iniciativas do observatório e suas pesquisas. Lendo os resumos me interessei pelas pesquisas sobre o ProEMI. Sou mestranda em educação do PPGE da UDESC e meu objeto de pesquisa tbém. é o Ensino Médio Inovador nas escolas de SC, mais especificamente no macrocampo da cultura digital.. Há resultados, ou artigos publicados referentes a essas pesquisas? Onde posso encontrar?

  2. Marisa de Melo

    Todos os projetos abordados são importantes e necessário serem vistos com certa preocupação em todas as escolas.

  3. Sérgio Alberto Pinto Fernandes

    Assim é o ensino na Finlândia, considerado o melhor do mundo
    pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico:

    Pouco dever de casa, sem necessidade de acompanhamento dos pais.
    Não há necessidade de aulas particulares.
    Não há avaliação dos alunos, todos têm ótimo desempenho.
    Não há repetência.
    Garantia de emprego após a conclusão dos estudos.
    Quem paga os estudos? O Estado (através dos nossos impostos)

    POR QUE NÃO TEMOS UM ENSINO ASSIM???
    Juntos podemos mudar a educação no Brasil!

    Acesse: http://www.sergio-rejane.com/Educacao.asp

  4. ANGELA MARIA BANDEIRA LEAL Leal

    EU PARTICIPEI DO SIS MÉDIO 2 ANOS SERÁ POSSÍVEL TER OUTRO CURSO EM 2016 SE TIVER VOU FAZER FOI MUITO BOM COM AS PALESTRAS. FOI MUITO UTIL

Comments are closed.